segurança e saúde no trabalho
Abril Verde: conquistas e desafios sobre segurança e saúde no trabalhado
abril 29, 2021
Novo Marco Regulatório do Gás Natural
Novo Marco Regulatório do Gás Natural é sancionado
junho 22, 2021

Indústria da Transformação tem crescimento em cinco Estados, revela CNI

Indústria da Transformação

Parada de Manutenção realizada na Cenibra – indústria produtora de celulose

A Indústria da Transformação respondeu por 57% da produção da Indústria total no biênio 2017/18, segundo dados do relatório da Confederação Nacional da Indústria (CNI), com base em dados do Sistema de Contas Regionais do IBGE, divulgados no final de maio. De acordo com o relatório, os estados que mais ganharam importância para a produção da Indústria de Transformação brasileira, entre os biênios 2007/08 e 2017/18, foram: Bahia, Pernambuco, Paraná, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul.

A Bahia registrou o maior ganho em pontos percentuais (+1,45) na participação no valor adicionado da Indústria de Transformação. Entre 2007/08 e 2017/18, a participação da indústria baiana cresceu de 2,60% para 4,05%. Esse ganho está associado principalmente à conquista de maior parcela da produção brasileira de Produtos de minerais não metálicos (como cimento, tijolos, vidro etc.); Máquinas e materiais elétricos; Borracha e material plástico; e Bebidas.

Pernambuco ocupa o segundo lugar com maior ganho em pontos percentuais (+1,30 pp). Com isso, sua participação na produção da Indústria de Transformação nacional chegou a 2,84%. O Estado conquistou uma parcela maior da produção brasileira dos setores Veículos automotores; Outros equipamentos de transporte; Derivados do petróleo e biocombustíveis; e Produtos de metal.

Em terceiro lugar com maior ganho de participação na produção da Indústria de Transformação brasileira na última década, está o Paraná (de 6,89% para 8,15%). Tal desempenho se deve, sobretudo, ao crescimento dos setores Impressão e reprodução; Produtos de Madeira; Veículos automotores; e Celulose e papel.

Com o quarto maior crescimento, tem-se o estado do Rio Grande do Sul. O aumento de 1,23 pontos percentuais está associado principalmente aos setores Máquinas e equipamentos; Derivados do petróleo e biocombustíveis; Celulose e papel; e Produtos de metal. Por fim, em quinto lugar, está o Mato Grosso do Sul.

Indústria da Transformação no MS

Mato Grosso do Sul se tornou um dos mais importantes para a produção do setor de Celulose e papel na última década. No biênio 2007/08, o Estado respondia por apenas 0,23% da produção brasileira do setor de Celulose e papel. Tal percentual subiu para 11,09% no biênio 2017/18. Dessa forma, o estado avançou da 14ª para a 3ª colocação no ranking nacional de maiores estados produtores do setor.

Além disso, a indústria sul-mato-grossense comemorou crescimento de 0,90 ponto percentual na participação do PIB da Indústria nacional em uma década. O 5º maior do período. Foi o maior crescimento da Região Centro-Oeste, no período.

De acordo com o relatório da CNI, a participação do setor industrial da Região na composição do Produto Interno Bruto nacional desse segmento subiu de 0,71% no biênio 2007/2008, para 1,61% no biênio 2017/2018. Esse desempenho fez com que o Estado saltasse cinco colocações no ranking nacional do PIB da Indústria, saindo da 19ª para a 14ª posição.

“Mato Grosso do Sul comemora a expansão de um setor que atualmente emprega 123 mil pessoas. E esses dados da CNI, divulgados na véspera do Dia da Indústria [25/5], já revelam o resultado da política estratégica do Governo para o segmento”, comentou o secretário da Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semacro) ao Portal do Governo do Mato Grosso do Sul, Jaime Verruck.

De acordo com o relatório da CNI, o Mato Grosso do Sul também ficou em quinto lugar entre as unidades da federação que mais cresceram em participação na Indústria de Transformação. O Estado se tornou um dos mais importantes para a produção do setor de Celulose e papel na última década. No biênio 2007/08, ele respondia por apenas 0,23% da produção brasileira do setor, percentual que subiu para 11,09% no biênio 2017/18.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *